quarta-feira, 9 de maio de 2018

Filme brasileiro Amazonas Ferida ira trazer a "Lenda das Amazonas" em seu enredo




www.amazonasferida.com.br


Amazonas Ferida” é um projeto de filme de longa metragem em captação do cineasta Carlos Guimarães de Matos Jr,produtor cinematográfico, agora radicado em Minas Gerais.


O filme narra uma aventura pela selva amazônica de duas mulheres em busca de seus maridos desaparecidos em uma pesquisa científica.


Nessa busca frenética floresta adentro, que acontece pelos rios, aldeias, igarapé e tribos indígenas, elas irão esbarrar nos diversos tipos de culturas com imagens de muita beleza plástica, mas também nos crimes ambientais sofridos pela floresta amazônica.


Mas ao mesmo tempo em que essas “feridas” são postas, há também um trabalho de se chamar atenção para as ações de uso sustentável da floresta.


Como pano de fundo dessa aventura, uma das personagens, uma americana, Suzan, durante esse trajeto, lê um livro que conta a “Lenda Das Amazonas”, mulheres guerreiras que deram origem ao nome da região.


No meio de muita magia e misticismo, a realidade sempre se mistura com a fantasia.
Vale a pena conhecer o projeto no site: www.amazonasferida.com.br


Junto com o lançamento do filme, os produtores irão lançar também um videogame do mesmo nome, onde uma pequena índia de nome Nina e sua arara amiga luta contra os que não tem respeito pelo meio ambiente!


Esse será um dos primeiros filmes brasileiros que será lançado junto com um videogame.
É uma grande oportunidade para as empresas que usam a floresta Amazônica de forma sustentável ajudar na produção desse filme com patrocínio cultural.


Há no site um mapa de patrocínio bem detalhado.


A empresa responsável á a produtora mineira Raízes Produções Culturais Ltda

quarta-feira, 31 de janeiro de 2018

Senador Aécio Neves pede ao governo Temer apoio aos municípios em crise financeira



Aécio pede a ministro do Planejamento apoio aos municípios mineiros em crise financeira


O senador Aécio Neves reuniu-se, nesta terça-feira (30/01), com o ministro do Planejamento, Dyogo de Oliveira, para tratar da crise financeira enfrentada pelos municípios mineiros em razão dos recursos retidos indevidamente pelo governo Estado.


O senador destacou a gravidade do surto de febre amarela que já atinge 162 municípios de várias regiões de Minas e a importância de um apoio financeiro emergencial por parte do governo federal para que as prefeituras possam prestar atendimento médico e desenvolver ações de combate à doença. “Tratamos da liberação de recursos para o atendimento emergencial dos municípios mineiros atingidos por mais um surto de febre amarela. Minas já viveu dramaticamente um surto ano passado, com mais de uma centena de mortes, dezenas já ocorreram este ano, e para isso o Ministério do Planejamento é fundamental”, afirmou o senador Aécio Neves.


O senador Aécio Neves reuniu-se, nesta terça-feira (30/01), com o ministro do Planejamento, Dyogo de Oliveira, para tratar da crise financeira enfrentada pelos municípios mineiros em razão dos recursos retidos indevidamente pelo governo Estado.O senador destacou a gravidade do surto de febre amarela que já atinge 162 municípios de várias regiões de Minas e a importância de um apoio financeiro emergencial por parte do governo federal para que as prefeituras possam prestar atendimento médico e desenvolver ações de combate à doença.

“Tratamos da liberação de recursos para o atendimento emergencial dos municípios mineiros atingidos por mais um surto de febre amarela. Minas já viveu dramaticamente um surto ano passado, com mais de uma centena de mortes, dezenas já ocorreram este ano, e para isso o Ministério do Planejamento é fundamental”, afirmou o senador Aécio Neves.

Desde dezembro, Minas registrou 36 mortes pela doença. No Estado, foram confirmados até o momento 81 casos de febre amarela e outros 208 ainda estão sendo investigados.

Aécio defende uma ação permanente no combate à febre amarela para evitar que o surto se repita no ano que vem. Nesta quinta-feira, o senador se reunirá com o ministro da Saúde, Ricardo Barros, para definir medidas de controle do novo surto. A cobertura vacinal alcançou apenas 83% da população mineira. O índice de cobertura desejado é de 95%.

“Devemos ter uma ação permanente, contínua, para que possamos estancar o surto deste ano para que não o vejamos repetido no ano que vem”, disse Aécio.

Recursos bloqueados

Sobre os recursos da educação, de ICMS e IPVA retidos pelo governo do Estado, o senador e ex-governador destacou a situação de penúria enfrentada pelos municípios mineiros. Aécio lembrou que os repasses são garantias dadas aos municípios pela Constituição porque garantem autonomia aos municípios.

“Inúmeros municípios vêm tendo parte importante das suas verbas retidas ilegalmente, inconstitucionalmente, pelo governo do Estado. Recursos da saúde já são mais de R$ 2,5 bilhões retidos. Recursos do IPVA, o Estado os tem retido pelo menos em grande maioria. Recursos do ICMS, onde o Estado é um mero repassador, vêm ficando também no caixa do governo. Recursos de várias outras áreas, que deveriam estar ajudando os municípios a enfrentar as suas dificuldades, têm sido apropriados indevidamente. E nem com isso o governo do Estado consegue manter os seus compromissos em dia, seja com servidores, seja com fornecedores e, principalmente, com os municípios”, afirmou o senador.

O governo do Estado fechou 2017 com uma dívida de R$ 812 milhões junto aos municípios em recursos retidos de ICMS e do Fundo da Educação Básica (Fundeb), que deveriam ter sido repassados semanalmente às prefeituras. Os repasses continuam atrasados neste início de 2018, segundo a Associação Mineira dos Municípios.

Também estão atrasados repasses para despesas com transporte escolar, de cerca de R$ 160 milhões, e para os serviços de saúde, que chegam a R$ 2,5 bilhões. Além disso, o Estado bloqueou o repasse de cota-parte do IPVA de 2018, devida aos municípios.

quarta-feira, 6 de dezembro de 2017

Consultoria para projetos culturais



Consultoria para projetos culturais

Prestamos consultoria para seu projeto. 

Tanto na parte de criação, (sim porque muitas vezes a venda do projeto, o seu patrocínio começa na criação de cenários e ou situações que permitem o merchandising para futuros cliente); na formatação para as leis seja ela Rouanet, Audiovisual, Leis de ICMS e ou ISS; na elaboração do plano de vendas ( Mapa de captação de recursos.). 
Nesse Mapa nós identificamos os potenciais investidores, aqueles com a possibilidade de maior interesse e criamos merchandising adequados aos interesses do patrocinador.

Devemos entender que qualquer projeto que busca patrocínio deve ter um plano de exibição da marca do patrocinador.

Podemos trabalhar por parte de projeto, pelo projeto inteiro ou por consultoria de duas horas por skype para assuntos diversos.

Por uma conversa de duas horas no skype, o valor é de R$ 200.00 ( duzentos reais/duas horas – minimo)

Para a consultoria do projeto inteiro irá depender do tamanho e das dificuldades, mas os preços variam de R$ 1.500.00 a R$ 3.000.00

Etapas do projeto ( Criação, Formatação do projeto, Plano de Venda que é o Mapa de Captação) tem preço de R$ 500.00 a R$1.000.00

Fazemos também consultorias para projetos em Crowdfunding

Consulte-nos sobre seu projeto. É gratuita a primeira consulta de avaliação.

Email: cursosraizesculturais@gmail.com

sábado, 28 de outubro de 2017

Minas na liderança nacional no tratamento da Síndrome de Irlen





Dra. Márcia Guimarães fala sobre a teoria e prática da metodologia diagnóstica da Síndrome de Irlen (screening) no 29º Curso de Distúrbios de Aprendizagem Relacionados à Visão (DARV).

A oftalmologista Dra. Márcia Guimarães é pioneira nos estudos da Síndrome de Irlen no Brasil.

O dia foi marcado também pela reunião especial com médicos oftalmologistas e abordagem dos distúrbios de aprendizagem relacionados à visão.

O segundo dia do CursoDARV foi dedicado à teoria de screening, com abordagem neurológica nos distúrbios de aprendizagem e projetos científicos na área.

O Hospital de Olhos do Dr Ricardo Guimarães é pioneiro na área de cirurgia refrativa, referência mundial em cirurgia de catarata, além de ser destaque nacional em glaucoma, retina, transplante de córnea e plástica ocular.


O Hospital de Olhos Dr. Ricardo Guimarães, um centro especializado em Oftalmologia renomado pela excelência no tratamento dos distúrbios da visão.

Desde 1983, se dedica à contínua pesquisa, à atualização de procedimentos e de tecnologia ocular.

#OlharFeliz

quinta-feira, 28 de setembro de 2017

Ministro Gilmar Mendes: Penalidades impostas pelo STF ao Senador Aécio Neves são inconstitucionais !





BRASÍLIA - O ministro Gilmar Mendes disse, nesta quarta-feira, 27, que o Senado tem de se posicionar sobre a decisão da Primeira Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) de afastarem o senador Aécio Neves (PSDB-MG) do exercício do mandato. Para ele, o que a turma decidiu foi a prisão do senador e isso não estaria permitido pela Constituição. Mendes afirmou também que seria importante o plenário do STF se debruçar sobre o tema. Segundo ele, ministros da Primeira Turma estão tendo "um tipo de comportamento suspeito" e aderindo a um "populismo constitucional."

"A 1ª Turma decidiu pela prisão do senador (Aécio Neves), o que não tem respaldo na Constituição. O Senado tem que deliberar sobre isso", disse Gilmar, no intervalo da sessão plenária do Supremo na tarde desta quarta-feira, 27.

O ministro disse ainda que "seria bom" que o tema viesse a ser julgado no plenário do STF. "Eu tenho a impressão que nós temos que discutir temas desta forma", disse.

Ao defender a ida do caso em plenário, Gilmar endureceu a crítica aos ministros da Primeira Turma.

"Devemos evitar a todo custo o populismo constitucional, o populismo institucional. Devemos nos balizar pela Constituição. Quando começamos a reescrever a Constituição, é algo preocupante. Acho que, quando a Turma começa a poetizar, começa a ter um tipo de comportamento suspeito... certamente seria bom que a matéria viesse ao plenário. Matérias controvertidas devem vir a plenário", afirmou Gilmar Mendes.

Questionado pela reportagem, o ministro não explicou o uso da expressão "comportamento suspeito" nem deu nome a ministro algum que estaria tendo este tipo de atitude.


http://politica.estadao.com.br/noticias/geral,gilmar-ataca-afastamento-de-aecio-e-diz-que-senado-tem-que-deliberar-a-respeito,70002018646

segunda-feira, 18 de setembro de 2017

Aécio Neves defende no Senado carreira de policial penal!



Declaração do senador Aécio Neves:


"Os agentes penitenciários não eram compreendidos no regime de aposentadoria especial como outros policiais.


Portanto, ao criar-se essa nova carreira do serviço público brasileiro, supera-se essa questão da segurança a esses profissionais essenciais à sociedade brasileira e, obviamente, dos próprios presidiários.


Eu me lembro que, em nosso governo em Minas Gerais, criamos a carreira dos agentes em larga escala e hoje ela é uma carreira sólida, como é também em outros estados.


E não há nenhum questionamento do ponto de vista federativo que não atenta contra a questão federativa, já que elas estarão subordinadas aos governadores de estados e ao governador do Distrito Federal.


Portanto, é um projeto simples, mas atende a um objetivo importante de uma categoria cada vez mais essencial à segurança, tanto do sistema prisional quanto da sociedade brasileira.


Por isso, o PSDB está apoiando a proposta do senador Cássio Cunha Lima."


Aécio Neves

terça-feira, 5 de setembro de 2017

Artigo de Aécio Neves na Folha de São Paulo sobre o momento atual

Artigo de Aécio Neves na Folha de São Paulo

Em meio à agenda de reformas fundamentais para recolocar o país nos trilhos, uma é premente, pois tem data-limite para acontecer. Até início de outubro, precisamos aprovar novas regras que vigorarão nas eleições gerais do ano que vem. Todo esforço deve ser empreendido para reaproximar a política das pessoas, antes que seja tarde.

Nas últimas semanas, o debate em torno da reforma política acabou sendo desvirtuado em função de propostas distantes, ou mesmo contrárias, do que a população almeja. É o caso da adoção do sistema eleitoral conhecido como distritão e da criação de um fundo público de financiamento de campanhas, para suprir o buraco deixado pela proibição das doações de fontes privadas.

Que a democracia tem custos, ninguém discute. Mas envolver mais dinheiro do contribuinte numa hora em que o Estado brasileiro beira a falência, em razão da malversação que marcou a gestão afastada em 2016, não parece ser uma saída.

O ideal seria voltar a permitir o financiamento privado, sob regras e fiscalização rigorosas. Já o distritão só se justificaria como transição para o voto distrital misto. Todavia, em ambos os casos, não há mais tempo para mudanças com vistas a 2018.

Distante da polêmica, há propostas prontas a serem apreciadas pelo Congresso e que, se aprovadas, resultarão num sistema político e eleitoral muito melhor para o país. E já com vigência no próximo pleito.

Refiro-me especificamente à proposta de emenda à Constituição (PEC) nº 282, relatada na Câmara pela deputada Shéridan (PSDB-RR).

O texto ora em discussão tem origem na PEC 36, apresentada pelo senador Ricardo Ferraço e por mim, ano passado, e já aprovada pelo Senado. Seus objetivos são: proibir as coligações entre partidos nas eleições proporcionais -ou seja, para deputados federais, estaduais e vereadores- e estabelecer uma cláusula de desempenho mínimo para que as legendas possam ter acesso a dinheiro público, tempo de rádio e TV e funcionamento parlamentar.

O que se pretende com a iniciativa? Atacar algumas das piores distorções da nossa democracia representativa. As coligações, tal como são hoje, acabam elegendo representantes alheios à vontade do eleitor. Já a adoção da cláusula de desempenho visa impedir a proliferação de partidos interessados unicamente em negócios movidos a dinheiro público.

O texto original prevê que as coligações ficarão proibidas a partir de 2020, quando serão eleitos os próximos vereadores. A vedação se estenderá à escolha de deputados a partir de 2022.

A medida força os partidos a preservarem alguma identidade com o eleitor e ajudará a pôr fim aos que representam a si próprios: dos 25 hoje presentes no Congresso, é possível que metade sobreviva.

Assim também deverá ocorrer com a imposição de percentuais mínimos de votos (que começam em 1,5% em 2018 até chegar a 3%, distribuídos por pelo menos nove unidades da federação) para acessar o fundo partidário e dispor de tempo de rádio e TV.

Partidos que não atingirem tais patamares poderão se organizar em federações, com um mínimo de afinidade ideológica e programática.

A PEC 282 está pronta para votação. Para tanto, é imperativo que as lideranças partidárias na Câmara se entendam e levem o texto imediatamente ao plenário.

Também na política o ótimo é inimigo do bom. Não adianta protelarmos a reforma em busca de uma solução que resolva todos os problemas da democracia brasileira, uma vez que ela pode não vir.

E certamente não virá no tempo e na premência que a crise atual demanda.

Os avanços contidos na PEC 282 abrem caminho para, passo seguinte, adotarmos o voto distrital misto, aproximando de vez representantes de representados.

Ato contínuo, o país poderá estar pronto para a reforma definitiva, com a adoção, sob condição de referendo da população, do sistema parlamentarista de governo. Não temos o direito de perder esta chance.


Aécio Neves